Anvisa confirma recebimentos dos documentos do estudo da vacina da Pfizer

Publicado em: 27/11/2020

                                  Foto: Sérgio Lima/Poder360 – 24.fev.2020

 

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou nesta quinta-feira (26) que recebeu documentos com os resultados dos testes das fases 1 e 2 da vacina BNT162b2, desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer contra a covid-19.

De acordo com a agência, a documentação foi incluída no chamado “processo de submissão contínua”. A submissão contínua não é a mesma coisa que o pedido formal de registro. Serve apenas para agilizar a análise.

“De acordo com o disposto pela Instrução Normativa 77/2020, a Anvisa tem até 20 dias para analisar os documentos, contados a partir da data do protocolo”, informou a agência em nota.

É a 3ª vacina que inicia o processo chamado de submissão contínua. Oxford e AstraZeneca começaram a submeter dados do seu imunizante em 1º de outubro. Foi seguida pela Sinovac no dia seguinte.

A Pfizer ofereceu “milhões de doses” ao governo brasileiro no mesmo dia em que anunciou eficácia preliminar de 95% na 1ª aplicação do imunizante.  Posteriormente, o Ministério da Saúde informou que deve “assinar cartas de intenção não-vinculantes com as empresas para permitir uma futura aquisição de doses”. Há condicionantes, como a aprovação pela Anvisa.

O imunizante da Oxford e AstraZeneca é a de aquisição mais próxima. O governo federal liberou quase R$ 2 bilhões para adquirir a vacina de Oxford e AstraZeneca, meses antes de o imunizante ser submetido ao início do processo de submissão contínua.

O Instituto Butantan receberá os insumos necessários para produzir a substância no Brasil. Análise preliminar indica que a substância protegeu 90% dos voluntários que receberam meia dose e, no mês seguinte, uma dose completa.

Já a CoronaVac –imunizante mais eficiente até o momento– permanece banida das negociações, por vontade de Bolsonaro. Nesta 4ª (25.nov), o presidente reafirmou que comprará o imunizante aprovado pela Anvisa, sem citar nomes de desenvolvedores.

 

Poder 360

 




Faça o seu comentário