Indicador de emprego de agosto é o maior desde o inicio da pandemia, diz FGV

Publicado em: 12/09/2021

                                        Foto: Sérgio Lima/Poder 360

 

O IAEmp (Indicador Antecedente de Emprego), da FGV, foi a 90,1 pontos em agosto. É o maior nível desde o início da pandemia. O índice indica projeção positiva de geração de emprego para os próximos meses.

A alta acontece em um momento em que o Brasil avança na vacinação e vê a média móvel de casos e mortes diminuir. Com a pandemia em queda e a aceleração da imunização, há diminuição da necessidade de medidas restritivas. Consequentemente, o ambiente fica mais favorável para a criação de novos postos de trabalho.

O economista responsável pela pesquisa da FGV, Rodolpho Tobler, diz que o índice do mês de agosto é uma expectativa positiva de que os próximos resultados possam trazer uma recuperação da população ocupada.

“A expectativa é para a recuperação de emprego. Provavelmente ainda ficaremos abaixo do nível de população ocupada. Um número menor de população empregada do que tinha antes da pandemia, mas temos a expectativa favorável de que os próximos resultados sejam melhores, e nós tenhamos de fato uma recuperação de emprego“, afirma.

O economista explica, no entanto, que essa recuperação deve ser gradual. Ele diz que houve quedas muitos grande e depois altas maiores, e agora elas devem ser mais estáveis. Tobler afirma que “a partir de agora a base vai ficando cada vez mais alta, então é difícil continuar no mesmo ritmo“.

“A recuperação do mercado de trabalho como um todo a gente vai ver em 2002, porque ainda temos uma grande população que não esta trabalhando, então o mercado de trabalho ainda tem um grande caminho de recuperação”, afirma. Tobler diz que o desafio, a partir de então, será manter o ritmo de recuperação.

O professor de Economia da UnB (Universidade de Brasília) Carlos Alberto Ramos compartilha da mesma visão. “O desafio vai ser crescer a partir do ano que vem“, diz. Segundo Ramos, a incerteza é um dos fatores que pode impactar negativamente a retomada mais forte da geração de empregos.

“Quem vai contratar se não sabe qual vai ser a legislação trabalhista? Quem vai investir se não sabe quais são as regras do jogo?“, indaga o professor.

CLIMA POLÍTICO TAMBÉM PODE ATRAPALHAR

O economista da FGV e o professor da UnB são taxativos quando e indagados sobre o clima político do país. Ambos dizem que há grande impacto.

“O ambiente político não está ajudando nada. […]Está sendo péssimo para a retomada do crescimento e emprego“, afirma o professor da Unb.

“Empresários precisam ter certezas na hora da tomada de decisões“, diz o economista da FGV. De acordo com ele, quanto mais a incerteza, maior risco para a retomada.

“Se essa incerteza, instabilidade politica permanecer, isso pode trazer uma cautela maior para parte dos empresários, e consequentemente uma cautela maior na hora de contratar“, diz.

 

Poder 360

 




Faça o seu comentário