Bolsonaristas se mantêm fiéis mesmo após nota de “recuo” do presidente

Publicado em: 10/09/2021

Infográfico de dados analisados pela Bites. Foto: Reprodução/Poder 360

 

O bolsonarismo não dá sinais de fragmentação nas redes sociais depois do recuo de Jair Bolsonaro (sem partido) em “nota à nação”. Esta é a avaliação de Manoel Fernandes, diretor da Bites, empresa de análise de dados. “Não há qualquer indicativo até agora que a base do presidente está deixando de apoiá-lo ou que há debandada”, disse ao Poder360.

Na 5ª feira (9.set.2021), às 16h25, o site do Planalto publicou nota oficial –escrita com a ajuda do ex-presidente Michel Temer (MDB)–, na qual Bolsonaro afirma que nunca teve a intenção de agredir outros Poderes, que suas “palavras contundentes” se deram pelo “calor do momento” e que sempre esteve aberto ao diálogo.

Horas depois, na tradicional live de 5ª feira, Bolsonaro declarou que a nota divulgada à tarde não tinha “nada demais”: “Eu acho que o que eu dei de resposta ali é o seguinte: eu estou pronto para conversar”.

Para Fernandes, a transmissão noturna do presidente serviu para reagrupar os bolsonaristas, desconcertados com a nota emitida à tarde. Análise da Bites até 11h desta 6ª feira (10.set.2021) mostra que a live de Bolsonaro foi a publicação com mais interações no Facebook no Brasil nas últimas 24 horas: 253 mil reações, 279 mil comentários e 62.000 compartilhamentos.

De 500 mil posts publicados sobre Bolsonaro em páginas ou grupos públicos, só 2.000 continham termos como “traição”, “traído” e “traidor” –número equivalente a 0,4% do total analisado na rede social de Mark Zuckerberg.

Também não foi registrada uma perda de seguidores nos canais oficiais do presidente. Pelo contrário. Nas últimas 24 horas –até 12h desta 6ª–, os perfis de Bolsonaro no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube ganharam 2.620 novos seguidores.

Em retrospecto, em 24 de abril de 2020, quando o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro anunciou sua saída do governo, Bolsonaro perdeu 55.000 seguidores de um dia para o outro. Nas redes, bolsonaristas lembraram o episódio envolvendo o ex-juiz, afirmando que o “tempo vai mostrar” que Bolsonaro estava certo, e pediram que “confiem no capitão”.

No caso dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes e Roberto Barroso, alvos de ofensas por parte de Bolsonaro nas últimas semanas, o crescimento nas redes foi ligeiramente menor: 1.321 novos seguidores para Barroso (Twitter e Instagram), e 929 para Moraes (Twitter).

 

Poder 360

 




Faça o seu comentário