Ex-senador boliviano Roger Pinto Molina é internado no DF em estado grave após avião pilotado por ele cair

Publicado em: 13/08/2017

 Avião pilotado por ex-senador boliviano Roger Pinto Molina cai em Luziânia, Goiás (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)Avião pilotado por ex-senador boliviano Roger Pinto Molina cai em Luziânia, Goiás (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

 

ex-senador boliviano Roger Pinto Molina, de 58 anos, que pilotava um avião que caiu em Luziânia, no GO, neste sábado (12) deu entrada no centro de trauma do Hospital de Base de Brasília em estado grave por volta de 20h.

Segundo o hospital, Molina sofreu politraumatismo e traumatismo crânio encefálico. Os médicos o submeteram a uma traqueostomia de urgência (intervenção na qual um orifício é aberto na traqueia para permitir a passagem de ar) e a drenagem no tórax. Ele respira com ajuda de ventilação mecânica, ainda de acordo com o hospital. Por volta das 22h de sábado (12), seria submetido a uma tomografia. Ao chegar ao Hospital de Base, o ex-senador havia sofrido parada cardiorrespiratória, informou o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal.

O acidente foi logo após a decolagem no Aeroclube de Luziânia, cidade do entorno do Distrito Federal. Segundo o Corpo de Bombeiros de Goiás, Molina tinha várias lesões pelo corpo, mas estava consciente no momento do atendimento. Ele veio para Brasília transportado de helicóptero.

 Avião de pequeno porte pilotado pelo ex-senador boliviano Roger Pinto Molina cai no Aeroclube de Luziânia, em Goiás (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)Avião de pequeno porte pilotado pelo ex-senador boliviano Roger Pinto Molina cai no Aeroclube de Luziânia, em Goiás (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

 

Os bombeiros informaram ainda que o avião caiu na cabeceira da pista logo após a decolagem. Não houve explosão após a batida com o solo. "Ele foi estabilizado por equipes dos bombeiros e do Samu e levado em seguida para o hospital. Ele apresentava politraumatismo, mas seu quadro era estável", disse ao G1 o major dos bombeiros Juliano Borges.

 

G1

 




Faça o seu comentário